Quem sou eu

Minha foto
Comunicadora, Professora, fotógrafa e Cinefila

terça-feira, janeiro 18, 2011

Dez 2010 "Sentimento do fim de amor ou amargo dezembro"


O amor dilacera a carne

Torna-se um arranhão

Um parto...

A dor do rompimento sanguíneo

A náusea, um vômito

Sentimento

Nem sempre é belo e tão pouco feio

Tem a dádiva de se manter corajoso

Coragem de não culpar o próximo

Mas, de culpar e mutilar as próprias entranhas

E se por obra do acaso

O veneno do remorso não pertence a ti

Ser generoso, maduro

E se o pesar e o gosto amargo da culpa recair sobre dois corações

Não revele suas dores para os olhos criminosos

Entretanto, os devende para os próprios olhos

Que o amor de outrora

Não fora ruim

Apenas imaturo

Como a flor que florecera e morrera antes do tempo

Nas paredes do seu jardim


Agradeço a Juju Guerra e aAnalina (Ju minha amiga paulista quase carioca, vou sentir sua falta) pela leitura na época, e agora numa versão modificada. obrigada.

5 comentários:

Iuri Minfroy disse...

belo, forte e rancoroso.
muito bom!

Dom Orione disse...

Cicatrizando!!!

Por que você faz poema? disse...

Como o fruto que apodrece na árvore.

Analina Arouche disse...

Sentimentos, Helô! É assim mesmo... fico feliz que esteja quase recuperada! Abraços!

Henrique Gois disse...

gostei do texto, muito musical, daria uma bela letra de música com certeza.
bjs