Quem sou eu

Minha foto
Comunicadora, Professora, fotógrafa e Cinefila

quinta-feira, junho 13, 2013

Aumento da Passagem: Minha visão dos fatos(31/05)

Em 2011, escrevi um "post" sobre a violência sofrida pelo Vinicius na Manifestação Contra o Aumento, que naquela época era de 3,00 reais.

Hoje escrevo o que passei, 2 dias antes, do Aumento 2013- de R$3,00 para R$3,20, e a integração de R$ 4, 65 para R$5,00.

Estava indo ao médico, que fica no Sumaré, peguei então o Jardim  Bonfiglioli, no ponto de casa, e por conta, da emenda de feriado (30-31/05), a Região do Brás estava lotada, e sabia que chegaria atrasada na consulta. Na altura da Santa Ifigênia, entra um rapaz, com o uniforme do São Paulo, com um ar, de "malandro", na hora me corrigi e pensei: "olha o preconceito" e deixei quieto, um ponto depois, ele começou a esmurrar e chutar o meu banco, ao olhar para trás, ele começou me encarar, nem liguei.

 Quando se aproximava da Praça da Republica, mandei a mensagem ao médico, que estava próxima a Região, ao enviar, o assaltante, puxou uma arma, sim pelo peso, sei a diferença entre um brinquedo e uma pistola, com a outra mão arrancou o celular (um Nokia 2010, meia boca, todo quebrado) e soltou: "Perdeu". Estava sentada em frente ao Cobrador, não no fundão como qualquer um pensaria.


Ao lado, fica um posto policial, o qual havia apenas um policial, que demorou 2 minutos para chamar uma viatura que obtivesse meu depoimento (acredito que o assaltante já estivesse na Cracolândia, naquela hora), a viatura demorou 4 minutos para chegar, e comecei a passar mal, meus lábios, mãos e pernas formigavam muito. Além de tomar meu depoimento, nenhum momento, resolveram me acolher. Liguei para minha família de um orelhão ali do lado, acreditando que a viatura já tivesse saído, ela demorou mais dez minutos para sair (do jeito que o assaltante correu, ele já estava no Japão essa hora).

Voltei sozinha de metrô naquela tarde, ninguém me acompanhou ninguém quis saber se eu iria ter um pire-paque.

Fiz B.O, bloqueei o número, liguei para a SPTRANS (empresa da Prefeitura que cuida dos Ônibus), e descobri que TODOS OS ÔNIBUS DE SÃO PAULO, são terceirizados. Na segunda-feira, liguei para famosa TRANSPASS, que cobre 60% da frota do Município, que me alegou: NÃO HÁ CÂMERAS QUE GRAVAM NO VEICULOS. Eu poderia ter morrido alguém se importa?

Fiquei uma semana em casa, sem  sair SOZINHA.

Agora, você meu/ minha amigo/a, que pega ônibus todo santo dia, apertado numa lata de sardinha e paga R$3,20, acredite, isso não cobre nem o buraquinho dos teus poros, você pode morrer, que ninguém vai ver o rosto do meliante. E a policia? Só vai correr atrás de você, fiel manifestante, por que do traficante ou do assaltante, ela tem medo, tá?

2 comentários:

Larissa Castro disse...

De fato, o Estado não está nem aí para a sociedade, mas vai fazer baderna pra vc ver...

Priscilla Barreto C. Araujo disse...

Triste relato Helo =\
Já sabia que era terceirizado, mas nã imaginava essa situação. Quer dizer, colocou o bilhete único, não podem mais roubar o $ da empresa, pq se preocupar com segurança, né?!
O descaso da polícia é a pior parte. Realmente é enorme. E em diversas situações; dia desses infelizmente eu tive q entrar em contato pra falar d uma agressão doméstica, conflito físico e verbal, bem violento, e eu tensa, já chorando de raiva, pq parecia q eu tava ligando pra falar com o telemarketing da minha operadora de celular, sabe?! é ridículo. nem disfarçam mais que a função da polícia é só proteger os interesses de poucos... e foda-se qm não for desses poucos... quer dizer, 'foda-se' até vc qrer se manifestar.